h1

Fantaspoa #4

12/07/2011

Nesse último fim de semana, não pude ir ao Fantaspoa nem escrever sobre os filmes que havia visto na sexta-feira (8/7). Porém, consegui continuar indo ao cinema. Portanto, no lugar de escrever uma crítica para cada um dos últimos filmes vistos no festival, vou apenas fazer um pequeno comentário:

  • 08/07

O Homem Que Viu Frankenstein Chorar (The Man Who Saw Frankenstein Cry, EUA, 2009) – Interessante documentário que remonta a vida do maior ícone do cinema fantástico da Espanha, Paul Naschy. Tendo atuado em exatamente uma centena de filmes, Paul Naschy foi uma espécie de Lon Chaney espanhol, e teve um papel mais do que fundamental para consolidar as bases do cinema espanhol moderno. Passando a infância durante a ditadura de Franco, primeiro seguindo a carreira de halterofilista, e depois se envolvendo contra sua vontade com a máfia japonesa, a própria vida de Naschy já daria material suficiente para um filme. O Homem Que Viu Frankenstein Chorar é, além de um belo registro da vida de Paul Naschy, uma prova de que o cinema fantástico não deve ser subestimado como acontece até hoje.

Horror Gráfico Sexual (Grafic Sexual Horror, EUA, 2009) – Excelente retrato dos bastidores de um dos mais notórios sites de sadomasoquismo do mundo, o Insex.com, o documentário Horror Gráfico Sexual ainda consegue ser um libelo contra a censura e o preconceito frente a essa atípica prática sexual tão mal vista pela sociedade. Mostrando as cenas do que realmente acontece em “rituais” de sadomasoquismo como se fossem apenas um passatempo comum (o que de fato os são), as diretoras Anne Lorentzon e Barbara Bell realizam um belo trabalho também colhendo depoimentos dos mais variados, entrevistando desde o criador do Insex até as modelos que aparecem nos vídeos do site, e oferecendo um registro completo de todas as facetas dessa relação de dor e prazer que as pessoas mantêm com o sadomasoquismo. Mesmo que o resultado não fosse satisfatório, só o fato de o documentário tratar de um assunto tão polêmico já mereceria menção. Fazer isso com tanto profissionalismo, então, é digno de admiração.

Demons: Filhos das Trevas (Dèmoni, Itália, 1985) – Até essa edição do Fantaspoa, eu nunca tinha ouvido falar em Lamberto Bava. Dei preferências às mostras de filmes de ação e de documentários imaginando que o cinema de Bava fosse como o trabalho amador de tantos outros cineastas do gênero durante as décadas de 70 e 80 (além, claro, de supor que depois seria muito mais fácil encontrar os filmes de Bava do que os documentários da mostra). Assim, fui à sessão de Demons: Filhos das Trevas, última da mostra retrospectiva, sem a menor esperança de ver um bom filme. Mais uma vez fui surpreendido, e adorei o que vi. A direção de Bava se mostrou muito superior à maioria de seus companheiros de gênero. A primeira metade do filme faz um trabalho impecável de montagem, intercalando as cenas “de verdade” com as do filme dentro do filme de modo admirável, e inevitavelmente brincando com a metalinguagem. Contando com uma maquiagem fenomenal (que funciona perfeitamente bem mesmo hoje, 26 anos após o lançamento do filme, Demons ainda faz uma divertida crítica ao preconceito para cima do gênero de terror – em determinado momento um dos personagens grita decidido: “Isso está acontecendo por causa do filme! Vamos destruir o filme!”, seguido pelo urro de apoio de todas as outras pessoas presentes, e o bom humor de Bava não para por aí, mantendo um bom ritmo durante o tempo todo. E sendo o primeiro filme italiano a ser captado com o sistema de som Dolby, Demons traz uma trilha sonora maravilhosa que serve de ode à musicalidade oitentista, também facilitando ao espectador (da época) a identificação com o universo apresentado no longa. Por fim, talvez falhando apenas em deixar claro a origem da maldição que persegue os personagens, Demons é um filme divertido e que certamente dá vontade de conhecer o restante da obra de seu realizador.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: